sexta-feira, 13 de julho de 2012

Compromisso diante da vida

Como é bom olhar o mundo pela janela de meu quarto. Melhor saber que faço parte desse mundo. Moro em um condomínio repleto de crianças ruidosas, que brincam e correm sem parar, onde a minha filha participa ativamente, curtindo a sua merecida infância.
Eu tive uma infância muito, muito feliz. Apesar de ter sido filho único por dez anos, vivia rodeado pelos meus primos e primas que não me deixavam sentir sozinho. As brincadeiras nas férias de verão eram fantásticas. Engarrafamento de bicicletas na Travessa da Ligação e na Rua Pedro Hansen. Todo tipo de pique que você possa se lembrar: bandeira, 1,2,3, esconde etc. Pega-ladrão, mocinho-bandido, pêra-uva-maçã, WAR 1, Truste Imobiliário, cantigas de roda, puxar carrinho amarrado com barbante, usar tampas velhas de panela como volante de carro, soltar pipas, fazer maldades com insetos e animais abandonados (já pedi perdão a Deus), Clubinho de Meninos (onde as meninas não podiam entrar de jeito nenhum), atravessar o rio agarrado a um bambu, etc. Meus pais confiavam em mim e no mundo, por isso cresci sem culpas ou medos, pelo menos que eu me recorde.
O mundo que vivi era poético e inocente. O tempo passava devagar e não havia a pressa de viver que temos hoje. O tempo que vivemos hoje é muito diferente. Sem dúvidas o mundo está mudando rápido e todos nós estamos vivendo no ritmo dessa mudança. Ganhamos quantidade e tecnologia e perdemos qualidade e criatividade.
Não lamento o mundo de hoje, pois já vivi uma infância feliz, mas já posso fazer comparações sem saudosismo. Não teria como viver o que já foi vivido.
Me causa espanto quando reviro minhas lembranças e recordo o que já pude viver. Tenho orgulho do meu passado e isso inclui meus erros e acertos. Hoje tenho um saldo muito positivo para continuar vivendo, por isso não me sinto cansado de viver. Ao contrário, o desejo de continuar vivo está mais forte, pois agora sei o quanto aprendi e o quanto ainda tenho que aprender.
Preparo-me para um futuro, pois sei que tenho um presente valoroso nas mãos e a percepção de uma vida abençoada diante de tudo que já superei. Lembrava-me um dia como todos os caminhos que trilhei, por mais incertos que fossem, sempre me levaram a fazer escolhas acertadas na maioria das vezes.
Mesmo quando sabia que estava errando, nunca perdi a lucidez de que podia fazer diferente se quisesse. Errei e acertei com consciência, por isso fui capaz de aprender. Sempre me questionava de onde surgiam tantas certezas dentro de mim. Essas certezas  me recolocavam na rota sempre que eu me desviava. Havia uma sensação de previsibilidade diante dos acontecimentos e uma força única diante das adversidades.
Sem que eu saiba até hoje, todas as razões que me levaram a ser quem eu sou, reforçaram em meu coração um desejo sincero de persistir, um compromisso acordado com a vida de ir ao encontro do que anseia a minha alma.
Hoje meus questionamentos fundamentais foram satisfeitos, até o momento que novos se apresentem. Não há o que temer diante da nossa existência. Somos passageiros temporários de uma vida, que nunca deixará de ser surpreendente. Nunca pude imaginar que precisaria de tão pouco para viver plenamente.

Nenhum comentário:

Sentido

Sentido
Uma das melhores maneiras de dar um sentido para a vida, é procurar deixar o mundo um pouco melhor do que nós o encontramos. Autor desconhecido

Viver: renúncia, prazer, amor e leveza

Minha foto
Petrópolis, Rio de Janeiro, Brazil
Um professor com alma de aluno.