domingo, 30 de março de 2008

Um pouco de humildade, por vezes, faz e traz um bem enorme!

Nem tudo atrevo-me a escrever em meu blog pessoal. Entretanto, não consigo divagar sobre qualquer assunto sem me colocar como pessoa. O que escrevo diz respeito a mim, inserido, afetado e transformado pelo mundo. Como seria capaz de falar sobre a vida e abster-me de meus sentimentos e emoções? Talvez se falasse sobre a Geografia, mas seria um texto óbvio por demais. Óbvio porque escreveria o que sei bem, mas não demonstraria como me sinto diante da vida.
Sempre fui muito bom em me adaptar às situações novas. Primeiro visto a camisa do momento, depois entro logo em ação, moldando-me à medida que mergulho no novo. Começa a partir daí um exercício de tirar proveito pessoal de tudo que surgir, ao ponto de "tirar leite de pedra". Posso parecer flexível, e de fato sou, pois quero aprender com tudo e com todos, mas sou determinado e seguro de meus objetivos e até onde me interessa ir. Posso vergar, mas tenho força e energia para não me partir.
Não sou dono absoluto do saber e nunca serei. Verticalizar a vida nos tira opções de atuar em outras frentes. E já me vejo fortalecido para dar início ao meu processo de descentralização pessoal. Sinto-me maduro o suficiente para me lançar sem medo, indo de encontro ao real significado de minha vida, descobrindo o sentido de minha existência e reconhecendo minha divindade. Não me fiz claro? Todos nós trazemos uma essência divina dentro si, bastando apenas descobrí-la para descortinar o que temos que fazer por nós mesmos e pelo mundo.
tempos tenho a necessidade de encontrar essa essência divina e já estou a seu encontro, caminhando há 12 anos por um caminho espiritual que me realiza.
O que precisamos para viver? Trabalhar arduamente para sermos melhores como seres humanos, tirando todo o proveito possível de nossas possibilidades e habilidades, sem ter a pretensão de conseguir tudo rápido ou mecanicamente.
A cada dia sinto o quanto sou capaz de atuar no meio em que vivo. O meu livre arbítrio está sintonizado automaticamente em buscar soluções para todos os desafios que encaro. A vida acaba sendo feita por escolhas: ou aceita e aprende ou rejeita e sofre. É um trabalho que dura toda uma vida, e certamente não estará concluído quando nosso fim chegar. Isso é desmotivante? Absolutamente! Pois quando aprendemos (eu creio que assim seja), colocamos em prática o que é apreendido e não esquecemos mais.
Quer uma boa idéia do significado da ignorância? Não ser capaz de assumir a sua própria insignificância diante dos fatos, da vida e de Deus. Não espero respostas claras as perguntas ou explicações para os acontecimentos. Aceito e apreendo. Não faço curso para santo (como diz, minha irmã), mas estou disposto a crer no final feliz.

Nenhum comentário:

Sentido

Sentido
Uma das melhores maneiras de dar um sentido para a vida, é procurar deixar o mundo um pouco melhor do que nós o encontramos. Autor desconhecido

Arquivo do blog

Viver: renúncia, prazer, amor e leveza

Minha foto
Petrópolis, Rio de Janeiro, Brazil
Um professor com alma de aluno.